limpeza hospitalar limpeza hospitalar

Guia da limpeza hospitalar: saiba o que sua equipe precisa!

9 minutos para ler

Tendo em vista a necessidade de garantir a saúde do público interno e externo, melhorando e prevenindo a possibilidade de graves infecções, realizar uma eficiente limpeza hospitalar é uma prática essencial.

É necessário destacar que as bactérias e os vírus sobrevivem por dias em diversas superfícies do ambiente, fora do organismo humano. Dessa forma, a higienização correta e a desinfecção são as únicas formas de evitar a infecção cruzada.

Então, tornar o local cuidadosamente limpo e desinfetado garante a qualidade dos trabalhos da equipe hospitalar, além de ocasionar o bem-estar dos pacientes e de seus funcionários.

Nesse sentido, continue a leitura e saiba o que sua equipe precisa para realizar a limpeza hospitalar!

Qual a importância da limpeza hospitalar?

Acompanhe as informações a seguir para entender, em detalhes, a fundamental importância da limpeza hospitalar. Siga conosco e fique por dentro!

Deixa o local livre de infecções

A qualidade da higienização dos vários espaços de um hospital é o que assegura um ambiente livre de bactérias e de outros tipos de contaminação, como dissemos anteriormente. Isso é essencial porque qualquer tipo de contágio complica muito a saúde dos pacientes e dos seus acompanhantes, dos fornecedores e toda equipe de trabalho.

Entretanto, cada área deve ser limpa conforme suas necessidades específicas pois cada tipo de superfície necessita de uma quantidade de produto e de materiais distintos para uma limpeza eficiente. Por exemplo, em recintos hospitalares, a varredura é altamente proibida — ao varrer a poeira se espalha no ar e o local não fica bem higienizado.

É necessário lembra-se que é de total responsabilidade do hospital ocasionar um local organizado e limpo, que proporcione uma boa qualidade de vida para os seus pacientes.

Ocasiona o descarte correto do lixo

A eliminação correta do lixo é uma parte essencial para uma efetiva limpeza hospitalar, já que evita a proliferação de microrganismos — o resíduo hospitalar ou lixo consiste em todo o material excluído após um atendimento ou algum procedimento realizado no paciente.

Esses itens apresentam elevado perigo a saúde e, por esse motivo, é preciso promover sua eliminação de forma correta e consciente, além de ter muito critério com a reutilização de qualquer material.

Desse modo, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) estabelece regras rígidas a respeito da eliminação correta desses resíduos. Essas regulamentações precisam ser seguidas tanto pelos hospitais quanto por clínicas médicas, laboratórios e outros estabelecimentos da área da saúde. Conheçam quais são os tipos de lixo hospitalar:

  • grupo A (potencialmente infectantes);
  • grupo B (químicos);
  • grupo C (materiais radioativos);
  • grupo D (resíduos comuns);
  • grupo E (itens perfurocortantes).

Garante segurança dos pacientes e dos colaboradores

Sabemos que só água limpa não realiza a higienização de forma suficiente e correta, não é mesmo? Então, para retirar toda a impureza de áreas críticas, semicríticas ou não críticas de um hospital ou clínica, é necessário inserir alguns produtos específicos, como detergente, sabão e desinfetante para conseguir fazer uma limpeza ideal.

Nas paredes, tetos e janelas não existe muito perigo de transmissão e infecção, por essa razão, a limpeza nessas superfícies não precisam ser efetuada todos os dias. Já o piso e os equipamentos necessitam de uma limpeza diária e pesada.

É fundamental salientar que o time de limpeza deve usar corretamente os Equipamentos de Proteção Individual (EPI’s) para que não tenha contato direto com as bactérias e os vírus. Também é imprescindível que os funcionários estejam com a carteira de vacinação em dia, apresentem uma boa saúde e realizem todos os exames solicitados pela legislação.

Para que a segurança no trabalho seja cumprida e os colaboradores possam desenvolver suas obrigações sem perigo, a equipe de limpeza deve:

  • evitar exposição a risco;
  • ter cuidado com machucados abertos;
  • utilizar todos os Equipamentos de Proteção Individual;
  • ter cuidado no momento de manusear o material biológico e contaminante.

Além do mais, a higienização deve ser efetuada sem o comprometimento da ordem e da qualidade dos procedimentos clínicos, proporcionando aos envolvidos um ambiente livre de microrganismos e, consequentemente, ajudando no trabalho da equipe médica.

Ajuda a organização do ambiente

Como o hospital é responsável por promover a qualidade da saúde dos seus pacientes, também é primordial que a organização siga todos os procedimentos corretos com relação à limpeza e descarte de materiais, conforme dissemos anteriormente.

Para isso, é preciso os contratar somente colaboradores qualificados para essa função, elaborar uma rotina de limpeza regular adequada e manter todos os instrumentos de trabalho bem esterilizados e guardados.

Todos os funcionários do hospital, por mais que saibam sobre isso, necessitam de capacitação constante, que reforce a importância de todas as normas e garanta os hábitos apropriados de higienização. Uma ação para fortalecer esse aprendizado é colocar cartazes informativos nos murais de comunicação externa e interna.

São diversos os contratempos da higienização hospitalar. Logo, os hospitais devem contar com a ajuda de um Procedimento Operacional Padrão (POP) — documento que direciona o passo a passo de cada obrigação.

Como fazer uma limpeza hospitalar eficiente?

Uma instituição especializada em limpeza e conservação corporativa precisar estar preparada para cumprir todas as obrigações específicas de cada local onde atuar, principalmente quando se tratar de hospitais e clínicas, onde a higienização é imprescindível e possui características muito próprias.

Nesse contexto, é preciso conhecer muito bem todas as regras e protocolos que devem ser seguidos, utilizando um modelo de serviço que não afete negativamente o trabalho da equipe médicas e dos outros colaboradores.

Portanto, se sua empresa pretende proporcionar um serviço de qualidade, é importante observar rigorosamente as orientações de entidades, como a Associação Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa):

  • empregar itens de limpeza de acordo com a subdivisão dos ambientais hospitalares e conforme o perigo de infecção: áreas críticas — maior risco de transmissão de infecções, semicríticas — ocupadas por pacientes com doenças infecciosas de baixa transmissibilidade e doenças não infecciosas e não críticas — não ocupadas por pacientes e onde não se realizam procedimentos clínicos;
  • limpeza corrente — em locais que se encontram ocupados e de limpeza terminal —desinfecção após desocupação da área;
  • nunca misturar produtos em todas as situações mencionadas anteriormente: álcool 70%, água sanitária, hipoclorito de sódio, soluções desinfetantes, neutralizadores de cheiro, detergentes neutros e ceras somente devem ser aplicados para seu real objetivo;
  • usar somente métodos adequados em uma limpezas de rotina: varredura úmida —retirar possíveis detritos do chão, ensaboamento — remoção de resíduos grudados, enxágue e secagem — remoção do detergente utilizado e desinfecção com hipoclorito de sódio;
  • utilizar baldes com cores distintas: um com detergente e um com água limpa — para o processo de ensaboamento, um com solução desinfetante e outro apenas com água — para o procedimento de desinfecção;
  • seguir um sentido no momento da higienização, ou seja, se cima para baixo nas paredes, e iniciar pelos cantos no momento de limpar o chão, jamais afetando a circulação das pessoas;
  • usar placas de sinalização e todos os demais itens de segurança: máscaras, óculos, avental e luva;
  • realizar a fricção mecânica — com desinfetante hospitalar, no mínimo, três vezes por semana;
  • operar somente com equipamentos autorizados para a limpeza do ambiente hospitalar: os carinhos de limpeza, enceradeira, os aspiradores, as lavadoras e os carrinhos de transporte de produto;
  • lavar corretamente — com detergente neutros e água, todo material usado na higienização dos diversos ambientes;
  • trocar os panos e soluções dos baldes ao encerrar a ação de cada área do hospital.

Quais são os principais Equipamentos de Proteção para a equipe de limpeza?

Os colaboradores precisam usar EPI´s, para todas as tarefas que exigem cuidados especiais. Conheça mais sobre cada um desses importantes Equipamentos:

  • avental impermeável: usar sempre que existir contato com líquidos e risco de respingo de produto orgânico. Realizada a limpeza, tirar o avental, puxando-o pelas mangas, dobrando-as para dentro e enrolando para o lado contrário;
  • luvas de borracha cano longo: usar para a higienização e manipulação de soluções. Não podem ser usadas de forma incorreta, por exemplo, para pega em telefones, maçanetas;
  • máscara facial: utilizar quando existir risco de respingo em mucosa nasal, oral, durante o recolhimento de roupa suja e durante a manipulação de soluções desinfetantes;
  • botas: usar durante todo o processo de limpeza do local e durante o recolhimento de lixo. Precisam ser impermeáveis e com solado antiderrapante;
  • óculos: utilizar quando existir perigo de respingo durante a diluição dos desinfetantes.

Quais máquinas podem ser utilizadas durante a limpeza hospitalar?

Existe uma ampla variedade de máquinas para realizar a higienização hospitalar. Sendo assim, conheça um pouco a respeito de cada uma!

  • lavadora compacta a cabo de operação a pé: essa lavadora é ótima para realizar limpeza em locais compactos de forma ágil e silenciosa;
  • lavadora compacta a bateria de operação a pé: esse item é capaz de substituir o mop e o balde, excelente para ambientes pequenos. E você pode lavar o piso várias vezes ao dia com a bateria opcional de lítio-íon;
  • lavadora automática a cabo e operação a pé: essa lavadora assegura agilidade durante a manobra do operador.

Essas máquinas contribuem significativamente para a eficiência do trabalho do time dos profissionais da limpeza, a higienização fica mais ágil e eficiente.

Portanto, a limpeza hospitalar é primordial para evitar o aumento de vírus e bactérias que podem piorar os estado dos pacientes e ocasionar doenças nos colaboradores. Logo, essa prática exige cuidados específicos, que podem ser efetuados por organizações especializadas.

Gostou do post? Então, aproveite para assinar nossa newsletter para receber esse e outros conteúdos em seu e-mail!

Powered by Rock Convert
Posts relacionados

Deixe um comentário